terça-feira, 24 de maio de 2011

Resumo do Livro: A última grande lição (Mitch Albom)

"O sentido da vida"

Tradução de José J.veiga

Rio de Janeiro GMF -1998 - Editora Sextante

Cada um de nós, teve na juventude uma pessoa especial, que com paciência, sabedoria e afeto, nos ajudou a descobrir e escolher nossos caminhos com maior liberdade. Para o autor (Mitch Albom), esta pessoa foi seu professor universitário Morrie Schwartz. Ele teve a oportunidade, vinte anos depois de deixar a universidade, de reencontrar seu velho professor, que aos 78 anos, é vítima de uma doença rara e letal, acometido de esclerose lateral amiotrópica e em estado terminal.

As últimas aulas da vida do velho professor foram dadas uma vez por semana, sempre às terças-feiras, na casa dele, ao pé de uma janela, de onde podia olhar um hibisco pequenino lançar suas folhas róseas. E o autor visitou-o durante quatorze semanas, até sua morte. Nesses encontros, tratavam de temas fundamentais para a felicidade e a realização humana, tais como: O mundo; remorso; autocomiseração; morte; família; emoções; medo de envelhecer; dinheiro; permanência do amor; casamento; cultura; perdão; conceito de dia perfeito, despedida...

O Audiovisual

Ted Koppel, o apresentador do Programa "Nightline" da ABC-TV, gravou a 1ª entrevista com Morrie Schwartz, que recusava cair em depressão e fez de si uma usina de ideias. Escrevia curtas frases filosóficas, sobre o que significava viver a sombra da morte, coisas assim:

"Aceitar o que se é capaz de fazer e também o que não é capaz"; "Aceitar o passado como passado, sem negá-lo, nem descartá-lo.

A Primeira terça-feira

Morrie estava na cadeira de rodas, o primeiro estágio da doença começa a desenvolver...Ele fazia perguntas e ficava atento às respostas de Mitch. Gostava de comer, queria se sentir útil, se interessava pelo noticiário, mas estava muito emotivo, pedindo depois de horas de conversa que voltasse na próxima terça-feira.

A Segunda terça-feira

Mitch voltou na terça-feira seguinte, mesmo morando a mais de 1.200 quilômetros de distância, examinava seu mestre, procurando sinais de progresso da doença. Ao seu alcance ficava uma sineta, e seus ajudantes, Comy, Tony, Bertha ou Amy lhe prestavam ajuda quando necessário. Morrie lamentava, apenas um pouquinho toda manhã, algumas lágrimas e só. Cada dia, a certeza de que seu tempo está acabando.

A Terceira terça-feira

Mais uma visita habitual, mas desta vez, com algo a mais: um gravador, para registrar as informações, pois ele observava a vida de um ponto de vista diferente do de outras pessoas, e Mitch queria esse momento por toda sua vida e destacou assuntos como morte, medo, envelhecimento, cobiça, casamento, família, sociedade, perdão, vida significativa. Na faculdade sugeriu que desenvolvesse uma tese, onde o tema escolhido foi esporte e mal sabia, que estava me preparando para minha futura carreira.

O Audiovisual segunda parte

O "Nightline" fez nova entrevista, desta vez, Morrie já não movimentava as mãos e tinha dificuldades em pronunciar algumas palavras. Passava sua experiência de vida e preocupava-se com seus movimentos, pois através deles, se doava às pessoas.

O professor

Morrie perdeu sua mãe com apenas oito anos, seu pai Charlie trabalhava no ramo de peles, e viviam em extrema pobreza. Sua madrasta Eva, é quem incentivou o estudo de Morrie, que jurou jamais exercer qualquer trabalho que explorasse alguém e pensar em ganhar dinheiro com o suor alheio. Foi por eliminação, que decidiu ser professor.

A Quarta terça-feira

Desta vez o assunto era morte, extraía ensinamentos de todas as religiões, a vida, era contada em dias preciosos. Todo mundo sabe que vai morrer, mas ninguém acredita, se acreditássemos, mudaríamos de comportamento. Depois das entrevistas ao Programa de TV "Nightline", o professor começou a receber cartas do mundo todo, e quando estava disposto ditava as respostas a um de seus filhos ou amigos.

A Quinta terça-feira

Era notável sua dificuldade de segurar qualquer coisa, o assunto agora é a família. E citava quem não tem apoio, amor, os cuidados de uma família, não tem muito com quem contar, da importância de ter filhos.

A Sexta terça-feira

Charlote, esposa de Morrie Schwartz, abre a porta para Mitch, pois ele não está bem. Agora ele só come alimentos pastosos e líquidos, pois tem dificuldade de engolir. Tem enfermeiros à noite, e durante o dia, recebia visita de amigos, antigos alunos, professores, instrutores de meditação entrando e saindo. Saber diferenciar as emoções, o medo da dor, do sofrimento, medo da vulnerabilidade, que o amor tráz com ele.

A Sétima terça-feira

Agora Morrie já está totalmente dependente, mas sabe apreciar cada minuto de sua vida, da importância de envelhecer, descobrir o que existe de bom, verdadeiro e belo em cada fase de sua vida.

A Oitava terça-feira

Ele sempre gostou de prazeres simples, cantar, rir, dançar... Nesse período mais do que nunca, coisas materiais pouco significavam para ele, mas nunca substituir o amor, a suavidade ou ternura, por bens materiais. O que realmente traz satizfação é oferecer aos outros o que temos para dar.

A Nona terça-feira

A cada nova visita, o professor passava a impressão de estar se dissolvendo na cadeira de rodas. Sempre apostava na permanência do amor, de entregar-se por inteiro, era calmo, preferia aplicar sua energia nas pessoas.

A Décima terça-feira

Desta vez, Mitch levou sua esposa, Janine, para seu professor conhecer, ela é cantora profissional. Morrie agora já não consegue dormir, precisa de oxigênio quase todas as noites, explica a importância da compreensão e respeito no casamento.

A Undécima terça-feira

A doença aproximava-se do baluarte final, os pulmões. Morrie acreditava na bondade inerente das pessoas, mas também sabia em que as pessoas podem se transformar. Acreditava que as pessoas precisavam trabalhar para criar sua própria cultura.

O Audiovisual Terceira Parte

Em sua entrevista, disse que estava se soltando do mundo exterior. Viver significa poder ser responsável pelo outro, poder revelar e viver sentimentos. Disse, que queria morrer com serenidade. Pediu ao público durante sua entrevista, para que sejam solidários e responsáveis uns pelos outros, pois assim, o mundo será melhor.

A Décima Segunda terça-feira

Nesta visita o assunto é o perdão. Não tem sentido ficar curtindo vingança ou teimosia, o orgulho, e a vaidade, não levam a nada. lembrou a história de um velho amigo com quem se desentendera e ele nunca o perdoou e pouco tempo depois morreu de câncer.

A Décima Terceira terça-feira

Morrie queria ser cremado. Dormia poucas horas, e era acordado por violentos ataques de tosse. Durante sua doença, ele nunca abrigou a esperança de cura. Disse, que se pudesse ficar curado levantaria de manhã, faria exercícios, receberia amigos para um bom almoço. Dançaria, faria um passeio por um jardim, contemplaria a natureza, dormiria um sono tranquilo e profundo. Tudo tão simples!

A Décima Quarta terça-feira

Charlotte telefonou avisando que Morrie não estava bem. O velho professor tomava morfina para facilitar a respiração. A voz estava fina e áspera e cheirava a unguento, tocou Mitch, disse o quanto o amava, mas não sabia como despedir, sentiu sua respiração e o beijou. Tentou conter as lágrimas mas Morrie finalmente o fez chorar. Ele morreu sozinho em seu quarto, quando parou de respirar. A família estava presente, para prestar as últimas homenagens a ele. Sua esposa não queria muita gente, apenas alguns amigos íntimos e parentes. Era um lugar agradável, com árvores, gramado e uma suave colina. Neste momento, lembrava de suas palavras: "quando partir...você fala, eu escuto". Fiz isso, mentalmente, e quando quando observei entendi tudo. Era terça-feira.

O livro retrata a opinião de Morrie Schwartz, uma pessoa realmente fantástica, que prega os bons valores, o amor, a fraternidade e o desapego, valoriza as coisas simples da vida. Critica nossa cultura, que segundo ele, apresenta dogmas que dificultam e até inviabilizam a felicidade. Mais do que isso, prega a importância de cada um na sociedade, que cada vez mais esquece as coisas simples e se preocupam com os bens materiais.








Remédio para bronquite (cultura indígena)

1 lasquinha de casca de angico 3 pontas de ramos de marcela grega 1 garrafa de cachaça Todos os ingredientes devem ser misturados numa g...